CADASTRE-SE

Relações com Investidores

Greenfield

A Companhia possui atualmente 6 empreendimentos em construção com um investimento total de R$ 4.844 MM e uma RAP de R$ 875 MM (ciclo 2020-2021). Considerando apenas a participação da Taesa nessas concessões, o montante a ser investido é de R$ 3.206,9 MM com uma RAP proporcional de R$ 567,5 MM. Vale destacar que 3 empreendimentos, Miracema, EDTE e Mariana, e os reforços da Novatrans foram concluídos recentemente, passando a adicionar para Taesa uma RAP total de R$ 142,0 MM – ciclo 2020-2021.

  EmpreendimentoLeilõesExtensão/LocalizaçãoTensãoParceriaRAP (ciclo 2020-21) R$ MMCapex ANEEL R$ MMAssinatura do ContratoLicença Prévia (LP)Licença Instalação (LI)Prazo Aneel
• Licença Prévia (LP) emitida em maio de 2016.
• Licenças de Instalação e Operação (LI e LO) emitidas em dezembro de 2018.
• Emissão do Termo de Liberação Definitivo (TLD) em 20/12/2019 para o reforço de Mariana.
• Energização concluída em 25 de maio de 2020.
• Emissão do Termo de Liberação Definitivo em 8 de junho de 2020, com data de entrada em operação comercial retroativa ao dia 4 de junho de 2020.
• Concessão em operação.
• Todas as licenças ambientais adquiridas: LI’s e LP’s das LT 500kV, LT 230kV, SE Palmas, SE Lajeado e SE Miracema.
•  Reconhecido o direito ao benefício fiscal da SUDAM em setembro de 2018. O benefício terá a duração de 10 anos, a contar da entrada em operação do empreendimento.
• O trecho LT Miracema – Lajeado (circuito 2), tensão de 500kV e 30 km de extensão, foi energizado em setembro de 2019.
• Emissão do Termo de Liberação Definivo (TLD) em 1 de outubro de 2019 para o reforço, em 27 de dezembro de 2019 para as instalações de 500kV e em 18 de fevereiro de 2020 para as instalações de 230 kV e 138 kV, sendo que neste ultimo trecho, foi emitido um Termo de Liberação de Receita (TLR) para período compreendido entre 27 de dezembro de 2019 e 07 de fevereiro de 2020.
• Concessão em operação.
•   Licença Prévia (LP) emitida em junho de 2018.
•   2º Emissão de Debêntures da EDTE em dezembro de 2018.
•   Licença de Instalação (LI) emitida em janeiro de 2019.
•   Energização do trecho LT 500kV Ibicoara – Poções III e da Subestação 500/230kV Poções III em 22 de dezembro de 2019.
•   Última energização da EDTE referente ao trecho LT 230kV poções III – Poções II em 20 de janeiro de 2020.
•   Emissão do Termo de Liberação Provisória em 20 de janeiro de 2020.
•   Emissão do Termo de Liberação Definitiva em 7 de fevereiro de 2020.
•   Concessão em operação.
•   Projeto básico protocolado na ANEEL e já aprovado no ONS.
•   Licença Prévia (LP) emitida em janeiro de 2019.
•   Licença de Instalação (LI) emitida em outubro de 2019.
•   1ª emissão de debêntures da ESTE em dezembro de 2019.
•   Emitida a Ordem de Serviço de Campo (OSC) para início dos trabalhos de campo.
•   Avanço físico em 19%.
•   Projeto básico encontra-se aprovado pela ANEEL/ ONS para subestações e em revisão para atendimento de comentários sobre linhas de transmissão.
•  Finalizadas as atividades de implantação de traçado / topografia.
•  Licença Prévia (LP) emitida em setembro de 2018.
•  Contrato de financiamento assinado junto ao BNB em setembro de 2018.
•  Reconhecido o direito ao benefício fiscal da SUDENE em setembro de 2018. O benefício terá a duração de 10 anos, a contar da entrada em operação do empreendimento.
• 1º emissão de debêntures de Janaúba em janeiro de 2019.
• Licença de Instalação (LI) emitida em julho de 2019.
• 2ª emissão de debêntures de Janaúba em dezembro de 2019.
• Avanço físico em 57%.
•   Projeto básico protocolado na ANEEL.
•   Licença Prévia (LP) emitida em outubro de 2018.
•   Reconhecido o direito ao benefício fiscal da SUDENE em dezembro de 2018. O benefício terá a duração de 10 anos, a contar da entrada em operação do empreendimento.
•   Licença de Instalação (LI) emitida em abril de 2019.
•   Avanço físico em 77%.
•   Projeto básico protocolado na ANEEL.
•   Licença Prévia (LP) emitida em outubro de 2018.
•   Reconhecido o direito ao benefício fiscal da SUDENE em dezembro de 2018. O benefício terá a duração de 10 anos, a contar da entrada em operação do empreendimento.
•   Licença de Instalação (LI) emitida em maio de 2019.
•   Avanço físico em 80%.
•   Projeto básico protocolado na ANEEL.
•   Protocolado EIA/RIMA junto ao IAP.
•   Licença Prévia (LP) para as instalações de 230kv emitida em setembro de 2018.
•   Alteração da denominação social de Elétricas Reunidas do Brasil S.A. (ERB1) para Interligação Elétrica Ivaí S.A.
•   Licença de Instalação (LI) emitida para SE Sarandi de 525/230 kV em abril de 2019, SE Paranavaí Norte – 230/138 kV em maio de 2019, LT 230 kV Sarandi – Paranavaí Norte em junho de 2019, e para SEs de Londrina de 525 kV, Foz do Iguaçu de 525 kV e Guaíra de 525 kV/230 kV e LT 525 kV Sarandi – Londrina em agosto de 2019.
•   1ª emissão de debêntures de Ivaí em janeiro de 2020.
•   Avanço físico em 39%.
•   Constituição da empresa Sant’Ana Transmissora de Energia S.A. em janeiro de 2019.
•   Assinatura do contrato de concessão em 22 de março de 2019.
•   Licenças Prévia e de Instalação (LPI) emitidas para SEs Livramento 3 e Maçambará 3, ambas de 230kV, em outubro de 2019.
•   Licenças Prévias (LP) emitidas para todas as linhas de transmissão e para as 3 subestações existentes (SE Alegrete 2, SE Cerro Chato e SE Santa Maria 3) em dezembro de 2019.
•   Emitida Licença de Instalação para as linhas de transmissão LT Livramento 3 – Alegrete 2 (C1), LT Livramento 3 – Maçambará 3 (C1), LT Livramento 3 – Cerro Chato (C1), e seccionamentos LT Maçambará – Santo Ângelo (C1/C2), todas com tensão de 230kV, bem como para as ampliações nas subestações existentes de SE 230kV Alegrete 2 e SE 230kV Cerro Chato em 9 de abril de 2020.
•   Licença de Instalação pendente referente à LT 230kV CS Livramento 3 – Santa Maria 3, que representa aproximadamente um terço da extensão total das linhas de transmissão dessa concessão, com trâmite de liberação em curso.
•   Avanço físico em 19%.

(1) Falta obter a LI do trecho LT 230kV CS Livramento 3 – Santa Maria 3.

Brownfield (M&A)

Ativo – Lagoa Nova Transmissão de Energia Elétrica S.A.

Em 13 de março de 2020, a Companhia divulgou Comunicado ao Mercado informando a conclusão nesta data, após o cumprimento de todas as condições precedentes, a aquisição de 100% das ações representativas do capital social total e votante da Rialma Transmissora de Energia I S.A. (“Rialma I”), por meio do pagamento do valor total de R$ 60.482.000,00, após os ajustes decorrentes da variação dos saldos de capital de giro e endividamento líquido entre a data base (30 de junho de 2019) e a data de fechamento da operação (13 de março de 2020). A Assembleia Geral Extraordinária de 13 de março de 2020 aprovou a alteração da razão social de Rialma I que passou a ser denominada Lagoa Nova Transmissão de Energia Elétrica S.A.

A consecução do negócio resultou na aquisição de ativo localizado no Estado do Rio Grande do Norte, com interligação a uma das subestações da Taesa – SE Lagoa Nova, da concessão Paraíso Açu Transmissora de Energia S.A. –, permitindo vantagens operacionais na manutenção do novo ativo, e, consequentemente, contribuindo para o plano de crescimento da Companhia e sua consolidação no setor de transmissão brasileiro. Lagoa Nova compreende a LT Lagoa Nova 11 – Currais Novos 11, tensão de 230 kV, circuito duplo, com extensão de 28 km e RAP de R$ 12,8 milhões (ciclo 2020-2021).

Segue tabela com resumo do ativo objeto da transação:

EmpreendimentoLeilõesExtensão/LocalizaçãoTensãoValor de Aquisição R$ milRAP¹ (ciclo 2020-21) R$ milParticipação AdquiridaFim da ConcessãoCategoria
(1) Valor da RAP (Receita Anual Permitida) referente ao ciclo 2020-2021, considerando a participação adquirida pela TAESA.

Ativos da Âmbar Energia

Em 14 de fevereiro de 2020, a Companhia divulgou Fato Relevante informando a conclusão da aquisição de 100% das ações representativas do capital total e votante de São João Transmissora de Energia S.A. e São Pedro Transmissora de Energia S.A., por meio do pagamento do valor total de R$ 753.168.061,88, nos termos previstos no Contrato, após o cumprimento das condições suspensivas aplicáveis à aquisição.

A consumação da aquisição de 51% das ações representativas do capital total e votante da Triângulo Mineiro Transmissora de Energia S.A. e da Vale do São Bartolomeu Transmissora de Energia S.A. está ainda sujeita ao cumprimento das respectivas condições suspensivas.

No Fato Relevante divulgado no dia 17 de dezembro de 2018, a Companhia comunicou a celebração do Contrato de Compra e Venda de Participações e Outras Avenças com Âmbar Energia Ltda. e Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia Milão, tendo como objeto a aquisição dos quatro ativos supracitados pela Companhia, pelo valor de R$ 942.537.000,00 (data base: 31 de dezembro de 2018).

A consecução do negócio resulta na aquisição de importantes ativos estratégicos, que totalizam R$ 137,9 milhões de RAP² e 1.227 km de extensão, localizados nas áreas de atuação da Companhia, proporcionando grande complementariedade geográfica com o portfólio de concessões de linhas de transmissão da TAESA e contribuindo, portanto, para seu plano de crescimento e para sua consolidação no setor de transmissão brasileiro.

Segue tabela com resumo dos ativos objeto da transação:

EmpreendimentoLeilõesExtensão/LocalizaçãoTensãoSóciosValor de Aquisição¹ R$ MMRAP (ciclo 2020-21) R$ MMDívida líquida² R$ MMMargem EBITDA³ %EBITDA³ R$ MMFim da ConcessãoCategoria
(1) Valor da aquisição de fechamento – 14/02/2020
(2) Valor da Dívida Líquida em 31/12/2018
(3) EBITDA Regulatório estimado para 2019.
(*) Na data do fechamento da aquisição, a Taesa realizou o pagamento da dívida bruta desses ativos no valor de R$ 242,7 milhões.
EmpreendimentoLeilõesExtensão/LocalizaçãoTensãoSóciosValor de Aquisição¹ R$ MMRAP² (ciclo 2020-21) R$ MMDívida Líquida³ R$ MMMargem EBITDA⁴ %EBITDA⁴ R$ MMFim da ConcessãoCategoria
(1) Valor do investimento (equity) em 31/12/2018
(2) Valor da RAP (Receita Anual Permitida) referente ao ciclo 2020-2021, considerando a participação adquirida pela TAESA.
(3) Valor da Dívida Líquida exclui a conta reserva.
(4) EBITDA Regulatório estimado para 2019.

Para maiores informações sobre as novas aquisições acessar a página de Avisos, Comunicados e Fatos Relevantes

Leilão Eletrobrás 01/2018

Em 27 de setembro de 2018, a TAESA participou do leilão promovido pelas Centrais Elétricas do Brasil – Eletrobrás (Leilão nº 01/2018) – vide Fato Relevante -, onde apresentou lances nos lotes L (Brasnorte), M (Transmineiras), N (ETAU) e P (Centroeste). Para os lotes L, N e P, esses foram os únicos lances propostos não havendo, portanto, ofertas concorrentes. Em outubro de 2018, a Companhia notificou a Eletrobras sobre o exercício do seu direito de preferência sobre as SPEs pertencentes ao lote M, conforme previsto no edital do leilão e nos estritos termos do disposto nos acordos de acionistas das Transmineiras. Em novembro de 2018, a Eletrobrás homologou a aquisição da TAESA nos lotes M (Transmineiras) e em janeiro de 2019, nos lotes L (Brasnorte) e N (ETAU), encerrando o processo formal do leilão. Com isso, a Companhia assinou contratos de compra e venda das participações da Eletrobrás na Brasnorte, ETAU e Transmineiras, obtendo as aprovações prévias necessárias do CADE.

Em 29 de abril de 2019, a TAESA concluiu a aquisição do lote N e, em 31 de maio de 2019, a Companhia concluiu a aquisição dos lotes L e M. Veja abaixo maiores detalhes da transação:

LoteSPEValor Pago (em R$ mil)RAP¹ (em R$ mil)Participação AdquiridaParticipação Final da TAESAContabilização no Resultado TAESA
(1) RAP referente à participação adquirida (ciclo 2020-2021).
(2) Considera participação direta de 49% e indireta de 4,9982% via a subsidiária ENTE.

Em 30 de agosto de 2019, a Companhia divulgou um Fato Relevante comunicando que a Assembleia Geral Extraordinária aprovou, nesta data, a aquisição de 11,624% das ações representivas do capital social e votante da Brasnorte Transmissora de Energia S.A. (“Brasnorte”), por meio da celebração do Contrato de Compra e Venda de Participações e Outras Avenças com a Bipar Energia, Telecomunicação e Industria Metalúrgica S.A. (“Bipar”), pelo valor de R$17.654.000,00, sujeito aos ajustes previstos no Contrato. Ainda nesta data o Contrato com a Bipar foi celebrado e a aquisição foi concluída por meio do pagamento de R$ 18.023.923,47, após os devidos ajustes.

Após a conclusão dessa operação, a Companhia, que antes detinha a participação acionária de 88,376% na Brasnorte, passou a deter 100% do total das ações desta empresa.